Select Page

EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL

Terapia por ondas de choque aliada à recuperação de lesões

RFD Nº02

TERAPIA POR ONDAS DE CHOQUE ALIADA À RECUPERAÇÃO DE LESÕES

Ft. Sara Silva

Fisioterapeuta. Fisiotorres, Centro Clínico e de Fisioterapia em Torres Vedras.

INTRODUÇÃO

Licenciada em fisioterapia desde 2015, sempre tive o gosto especial pelo exercício físico e pelo desporto. Ao longo destes anos de experiência têm aparecido, na área desportiva ou laboral tradicional, cada vez mais casos de lesões crónicas, que culminam em padrões de dor e até mesmo em impotência funcional. O contacto com a terapia por ondas de choque (TOC) surgiu desde muito cedo na minha vida profissional. Com alguma formação e conhecimento das suas potencialidades, vejo nela uma aliada na recuperação de algumas lesões e, no caso de atletas, ao retorno mais rápido às suas atividades.
Com este texto pretendo mostrar porque acho que esta terapia, seja de forma mais isolada ou em conjunto com outras terapias e exercícios, poderá ser uma boa ferramenta a utilizar na prática clínica numa vasta diversidade de patologias.

TERAPIA POR ONDAS DE CHOQUE

A TOC tem crescido cada vez mais na área da ortopedia ao longo dos últimos 20 anos. Tem sido evolutivamente uma forte aposta no tratamento das patologias músculoesqueléticas, tendo por suporte os estudos já realizados e que apresentaram resultados satisfatórios.1 Contudo, a TOC, por norma, é indicada como escolha secundária a outro tratamento conservador quando este não resultou.2

Existem dois tipos de ondas de choque, a radial e a focal, que são tecnicamente diferentes e os estudos indicam que devem ser vistos de forma distinta como modalidades terapêuticas. As ondas de choque focais são geradas tendo por base três mecanismos: eletro-hidráulico, piezoelétrico ou eletromagnético (convertem energia elétrica em energia cinética) e, tal como o nome indica, focalizam o seu campo de ação num único ponto, atingindo maior profundidade nos tecidos. Já as ondas de choque radiais são geradas de forma pneumática, apresentando um maior campo de ação, com pressões menores e, portanto, atingem os tecidos mais superficiais.2

Apesar do método de produção de energia e propagação das ondas serem diferentes, ambas partilham indicações.2

EFEITOS

O mecanismo de ação da TOC é baseado no processo de mecanotransdução, no qual a energia acústica mecânica (estímulo mecânico produzido pelo aparelho) induz uma resposta molecular e celular no tecido a tratar. Promove o desenvolvimento de novos vasos sanguíneos (angiogénese), bem como de novo tecido ósseo (osteogénese), culminando na regeneração dos tecidos. Além disso, tem efeito anti-inflamatório.2

Ao longo dos anos foram propostos vários mecanismos de ação:
efeito mecânico, através do aumento da pressão na deposição de cálcio, causando a sua fragmentação (exemplo: fibroses,
calcificações);
efeito molecular, induzindo uma resposta inflamatória, com consequente processo de neovascularização e fagocitose dos depósitos de cálcio;
efeito analgésico, auxiliando na diminuição da dor.

Conteúdo exclusivo para subscritores

Se ainda não subscreveu a RFD, aproveite agora

Já é subscritor? Inicie Sessão

Recebemos a sua subscrição

Aguarde, por favor, até que a mesma fique concluída e poderá aceder a todo o conteúdo.