Select Page

ARTIGO

Prevalência de Sintomatologia Musculoesquelética e de Lesões Desportivas no Golfe

RFD Nº06

PREVALÊNCIA DE SINTOMATOLOGIA MUSCULOESQUELÉTICA E DE LESÕES DESPORTIVAS NO GOLFE

 
Ana Ribeiro · Nuno Ventura · Ricardo Cardoso · Isabel Moreira-Silva · Joana Azevedo

Escola Superior de Saúde Fernando Pessoa – Porto

 
RESUMO

Objetivo – Investigar a prevalência de lesões e sintomatologia musculoesquelética (SME) em golfistas e testar a sua associação relativamente a diferentes variáveis. Métodos – 132 golfistas, registados na Federação Portuguesa de Golfe, preencheram um questionário online sobre a prática desportiva, lesões anteriores e SME. Resultados – A maior prevalência de lesões verificou-se ao nível do membro superior (54,1%). A área mais afetada por SME nos últimos 12 meses e 7 dias foi a região lombar (31,1% e 9,1%, respetivamente). A SME reportada nos joelhos (12 meses) parece estar relacionada com a idade e IMC. Conclusão – A prevalência de lesões e SME é elevada, reforçando a importância de programas de prevenção e intervenção nesta população.

PALAVRAS-CHAVE / KEYWORDS

Golfe, prevalência, sintomas, lesão musculoesquelética
Golf, prevalence, symptoms, musculoskeletal injury

ABSTRACT

Objective – To investigate the prevalence of injuries and musculoskeletal symptoms (MSS) in golfers and to test their association with different variables. Methods – 132 golfers, registered in the Portuguese Golf Federation, completed an online questionnaire on sports practice, previous injuries, and MSS. Results – The highest prevalence of injuries was found at the upper limb (54.1%). The area most affected by MSS in the last 12 months and 7 days was the lumbar region (31.1% and 9.1%, respectively). The reported MSS in the knees (12 months) seems to be related to age and BMI. Conclusion – The prevalence of injuries and MSS is high, reinforcing the importance of prevention and intervention programs in this population.

INTRODUÇÃO

O golfe é um desporto mundialmente praticado por mais de 55 milhões de pessoas.1 Em Portugal existem cerca de 20224 jogadores de golfe filiados na Federação Portuguesa de Golfe.2 No golfe as lesões mais comuns ocorrem por sobreuso1 sendo as áreas mais afetadas a coluna lombar, o cotovelo, o ombro, o punho e joelho.3-6 Os hábitos de jogo e a individualidade do swing de cada jogador podem favorecer o mecanismo de lesão.4 Nesse sentido, e tendo em conta que os dados acerca da prevalência de sintomatologia musculoesquelética (SME) na população de golfistas portugueses é escassa ou inexistente, o objetivo deste estudo é investigar a prevalência de lesões e SME em golfistas e testar a sua associação com diferentes variáveis.

MÉTODOS

Foi conduzido um estudo observacional transversal para avaliar a SME em jogadores de golfe. O estudo foi aprovado pela Comissão de Ética da Universidade Fernando Pessoa. O estudo incluiu jogadores de golfe de ambos os géneros, registados na Federação Portuguesa de Golfe (FPG), que participam em torneios, de diferentes faixas etárias e nível de skill. Os
dados foram recolhidos através de um questionário online, composto por questões para caracterização da amostra e da prevalência lesões anteriores auto-reportadas, incluindo dados relativos ao diagnóstico dessas lesões, e que incluiu também o Questionário Nórdico Musculoesquelético.7 Foi garantido o anonimato e a confidencialidade dos dados. Este questionário foi divulgado via email pela Federação Portuguesa de Golfe e pelos clubes nacionais.

Conteúdo exclusivo para subscritores

Se ainda não subscreveu a RFD, aproveite agora

Já é subscritor? Inicie Sessão

Recebemos a sua subscrição

Aguarde, por favor, até que a mesma fique concluída e poderá aceder a todo o conteúdo.